AO VIVO
... com ...

O mundo virou uma live?!
23/05/2020 às 20h12
Categoria: Sugestões
Moderação pendente
Anônimo
0 mensagens
0%
2 emblemas
Postado em 23/05/2020 às 20h12
O violão, o microfone, a mesa de som, estava tudo pronto para o show. Mas, em vez de os cantores Chitãozinho e Xororó estarem lado a lado com uma plateia diante deles, cada um permanecia em sua casa. Olhando para uma câmera, a dupla sertaneja cantou o sucesso Evidências em uma transmissão recente pela internet a milhares de pessoas.

A cantora Marília Mendonça tem uma história parecida: de chinelo, ela fez um show para mais de 3,3 milhões de pessoas ao mesmo tempo da sala de seu apartamento. Acostumada aos estádios lotados, ela fez uma apresentação de mais de 3 horas diante da câmera.

E não são só os artistas que andam fazendo transmissões pela internet nas últimas semanas. Com as academias fechadas, a personal trainer Carla Pinheiro reinventou as aulas produzindo vídeos ao vivo para o aplicativo Instagram. Pinheiro ensina os exercícios, motiva os alunos e interage com eles do outro lado da tela. Até o comércio entrou na onda. É o caso da loja Twenty Four Seven, de moda feminina. Em transmissões ao vivo, vendedoras mostram às clientes os diferentes looks. Tudo para vender as peças de roupa pela internet e compensar o fechamento da loja física. Fora do Brasil, a tendência também é vista nas mais diferentes atividades. No Reino Unido, a companhia de balé English National Ballet transmite ao vivo aulas no YouTube. Nos Estados Unidos, o Zoológico da Filadélfia, o mais antigo do país, tem feito interações ao vivo no Facebook para falar sobre os animais e responder a perguntas do público. Até o papa Francisco transmitiu pela internet a tradicional missa de Páscoa.

Os casos citados são parte de um fenômeno que ganhou força durante a pandemia da covid-19. Como boa parte das pessoas teve de permanecer em casa, artistas, empresas, empreendedores, professores, padres e prestadores de serviço descobriram nas transmissões em vídeo uma nova maneira de interagir com o público. A atual onda de lives ? termo em inglês pelo qual as transmissões ficaram conhecidas ? impulsionou o consumo de um formato de vídeo que até a pandemia era utilizado apenas em situações especiais. Em 2012, vale lembrar, o salto do paraquedista austríaco Felix Baumgartner a uma altitude de 39 quilômetros ? no limite da estratosfera ? teve uma audiência de 8 milhões de visualizações simultâneas na internet. Mas, de lá para cá, raros eventos ao vivo mobilizaram grandes quantidades de pessoas na web. Com a pandemia, o cenário mudou, e as lives ganharam uma dimensão nunca vista. No sábado 18 de abril, milhões de pessoas assistiram ao festival online One World: Together at Home (?Um mundo: juntos em casa?, numa tradução livre), com a participação de dezenas de artistas, entre eles o músico Paul McCartney.

A explosão das transmissões ao vivo não tem precedente. Segundo dados do YouTube obtidos pela EXAME, as buscas por conteúdo ao vivo cresceram 4.900% no Brasil na quarentena. O fenômeno é mundial. A consultoria americana Tubular Labs, especializada no segmento de vídeos na internet, indica que houve um crescimento de 19% nas transmissões ao vivo pelo YouTube no fim de março ? média de quase 3,5 bilhões de minutos de conteúdo por dia. ?Há um sentimento de comunidade que as pessoas encontram nos vídeos neste período de distanciamento social. Isso elevou os vídeos ao vivo a um novo patamar?, diz Amy Singer, diretora do YouTube para a América Latina e o Canadá e maior autoridade da empresa na região (leia a entrevista abaixo). O que impulsiona o formato é a espontaneidade. De acordo com um estudo da consultoria Forrester e da IBM, a audiência das lives é de dez a 20 vezes maior do que a dos vídeos gravados.

A indústria de entretenimento é a parte mais visível do movimento. Com o cancelamento de shows, o jeito foi recorrer à internet. Uma das primeiras artistas a explorar o formato foi a cantora Anitta, que começou a dar aulas de francês pelo Instagram em março, com público médio de 30.000 pessoas por dia. ?Queria dar algum tipo de auxílio aos trabalhadores e estudantes afetados pelo isolamento social?, diz Anitta. Em seguida, artistas de música sertaneja começaram a fazer performances. Numa live de 4?horas e meia, a dupla Jorge e Mateus teve uma audiên­cia simultânea de 3 milhões de pessoas. Dias depois, um show da cantora Marília Mendonça atingiu a marca de 3,3 milhões. ?Tem sido uma grande adaptação, a gente precisa fazer tudo com uma equipe reduzida ao máximo e tomar todos os cuidados necessários. São muitos detalhes, não é só ligar a câmera e começar a cantar?, diz Marília Mendonça.No campo da ciência, as lives também tiveram destaque. Atila Iamarino, doutor em microbiologia e divulgador científico, fez vídeos ao vivo no YouTube sobre o novo coronavírus que tiveram a audiência de 380.000 pessoas simultaneamente. ?A transmissões ao vivo são o formato mais parecido com as aulas, que já estou acostumado a dar. Nelas, é possível passar muitas informações e responder a perguntas?, diz.

FONTE: https://exame.com/revista-exame/o-mundo-e-uma-live/

VAI FICAR TUDO BEM, FIQUEM EM CASA!
Sem assinatura
Curioso
97 mensagens
97%
3 emblemas
Postado em 26/05/2020 às 13h59
1
Exatamente isso, hj em dia tudo se resume a live nessa pandemia, triste fim.
Sem assinatura
  • Anterior
  • 1
  • Próxima
É necessário estar logado para participar do fórum de discussão.