ON AIR
... com ...

O Violão
13/03/2018 às 19h47
Categoria: Curiosidades
Tópico moderado
Pixelado
16 mensagens
80%
1 emblema
Postado em 13/03/2018 às 19h47
O violão, em sua simplicidade, mesmo quando o pinho tosco se cobre de vernizes e arabescos em madrepérola e pedrarias, parece ter sido criado para a linguagem sonora e sincera dos simples; dos que sofrem e se queixam, dos que acreditam na poesia das frases musicais; dos que estão sós e precisam falar consigo mesmo sem parecer que estão loucos; dos que não sabem declarar o seu amor como os demais; dos que precisam fugir a realidade, seca por demais para ser aceita sem um pouco de harmonia...?

Este é um trecho da contracapa do disco ?Abismo de rosas?, de Dilermando Reis, escrito por Nazareno de Brito, que em poucas palavras, tenta descrever o que o violão representa para nós.

origem do violão



Vejamos um pouco da origem do violão, sua história, características e algumas curiosidades.

A Origem do Violão
A origem do Violão não é muito clara. Sua história começa há cerca de 2.000 anos a.C.

Na antiga Babilônia, arqueologistas encontraram placas de barro com figuras seminuas tocando instrumentos musicais, muitos deles similares ao violão atual (1900-1800 a.C). Um exame mais detalhado nos mostra que há diferenças significativas no corpo e no braço: Também o fundo é chato, portanto sem relação com o alaúde, de fundo côncavo.

As cordas são pulsadas pela mão direita (para os destros), mas o número de cordas não é claro; em algumas placas, pelo menos duas cordas são visíveis.

Indícios de instrumentos similares ao violão foram encontrados em cidades como Assíria, Susa e Luristan.

Alaúde - origem do violão - história do violão



No Egito: O único instrumento de cordas pulsadas era a HARPA de formato côncavo que depois foi acrescentada de um braço com trastes cuidadosamente marcados e cordas feitas de tripa animal. Pouco tempo depois estas características se combinariam e evoluíram para um instrumento ainda mais próximo do violão.

Em Roma: Surge instrumento totalmente de madeira (30 a.C-400 d.C). O tampo, que antes era de couro cru (semelhante ao banjo) agora é de madeira e possui cinco buracos. É importante frisar que nas catacumbas egípcias foram encontrados instrumentos, com leves curvas características do violão.

O primeiro instrumento de cordas europeu, de origem medieval, data de 300 anos depois de Cristo, e possuía um corpo arredondado que se interligava com um braço de comprimento considerável. Este tipo de instrumento foi utilizado por muitos anos e foi o antepassado provavelmente da Teorba.

Há também a descrição de outro instrumento datado da Dinastia Carolingian, que pode ser de origem tanto alemã como francesa. Este instrumento possuía formato retangular e seu corpo era equivalente ao seu braço.

Em ilustrações pode se observar que na ?mão ? do instrumento (de formato arredondado) se encontravam quatro, e às vezes cinco tarraxas de afinação, com um número de cordas equivalente. Este instrumento manteve seu formato e suas definições até o século quatorze.

Paralelamente a este instrumento, outro começou a se desenvolver. Possuía leves curvas nas laterais do corpo tornando-o mais anatômico e confortável. Descrições deste instrumento foram encontradas em catedrais inglesas, espanholas e francesas datadas do fim do século quatorze.

É importante frisar que haviam distinções, como a guitarra Latina e a guitarra Morisca. A guitarra Morisca, como o nome indica, tinha origem Moura, devido a colonização da Espanha e da África do Norte.

Este instrumento possuía um corpo oval e o tampo possuía vários furos ornamentados chamados de Rosetas. Era totalmente remanescente do Alaúde, e dentro deste conceito uma série de outros modelos, com diferentes números de cordas também existiam.

Guitarra-morisca-origem-do-violão-história-do-violão



Quer um Dicionário de 600 Acordes no Violão? É Grátis!


Já a guitarra Latina, tinha as curvas nas laterais do corpo que marcariam o desenho já quase definitivo do instrumento. A guitarra latina (assim como a Morisca) tinham muita popularidade na Europa Medieval.

Essa popularidade se devia principalmente a presença dos ?Trovadores?, músicos de natureza nômade que com suas performances e constantes viagens enriqueceram a cultura europeia, e impulsionaram a popularidade e reconhecimento do instrumento.

Até a Idade Média as informações sobre a guitarra eram obtidas de maneira indireta na sua maioria, através de afrescos, pinturas e pequenas anotações da época.

A partir do período Barroco, as informações sobre instrumentos em geral e sobre música são muito mais claras e precisas.

Há duas hipóteses mais aceitas atualmente, e que Emílio Pujol cita na sua conferência em Paris, no dia 9 de novembro de 1928, intitulada ?La guitarra y su História?:

Primeira hipótese para a origem do violão
O violão seria derivado da chamada Khetara grega, que com o domínio do Império Romano, passou a se chamar Cítara romana. Era também denominada de Fidícula.

Teria chegado à península Ibérica por volta do século I d.C. com os romanos; este instrumento se assemelhava à Lira e, posteriormente foram acontecendo as seguintes transformações: os seus braços dispostos na forma da lira, foram se unindo, formando uma caixa de ressonância, à qual foi acrescentada um braço de três cravelhas e três cordas.

A esse braço foram feitas divisões transversais (trastes), para que se pudesse obter várias notas de uma mesma corda, a ser tocado na posição horizontal. Assim, ficam estabelecidas as principais características do Violão.

Segunda hipótese para a origem do violão
O violão seria derivado do antigo Alaúde Árabe que foi levado para a península Ibérica através das invasões muçulmanas, sob o comando de Tariz, por volta dos anos 711 ? 718.

O Alaúde Árabe que penetrou na península na época das invasões, foi um instrumento que se adaptou perfeitamente às atividades culturais da época e, em pouco tempo, fazia parte das atividades da corte.
Esse instrumento musical era conhecido desde o século VIII, tanto o de origem grega, como o Alaúde Árabe, e viveram mutuamente na Espanha.

Isso se pode comprovar pelas descrições feitas no século XIII, por Afonso, o sábio, rei de Castela, e Leão (1221-1284), que era um trovador e escreveu célebres cantigas através das ilustrações descritas nas cantigas de Santa Maria. E assim pôde-se comprovar que no século XIII existiram dois instrumentos distintos, convivendo juntos.

O primeiro era chamado de Guitarra Mourisca e era derivado do Alaúde Árabe. Este instrumento possuía três pares de cordas e era tocado com um plectro (espécie de palheta); possuía um som ruidoso.

O outro era chamado de Guitarra Latina, derivado da Khetara Grega. Ele tinha o formato de oito, com incrustações laterais, o fundo era plano e possuía quatro pares de cordas. Era tocado com os dedos e seu som era suave, sendo que o primeiro estava nas mãos de um instrumentista árabe e o segundo, de um instrumentista romano.

Isso mostra claramente as origens bem distintas dos instrumentos, uma árabe e a outra grega; que coexistiram nessa época na Espanha.

Vemos, portanto, como a origem do Violão e sua evolução estiveram intimamente ligadas à Espanha e a sua história.

Iniciando no Violão? Ganhe 5 Bônus Incríveis!


Quantas cordas tem um violão?
Na idade média, era um fato comum encontrar instrumentos musicais de três, quatro e cinco cordas. A ?guitarra de quatro cordas? tinha muita popularidade no século quinze, porém no século dezesseis a guitarra de cinco cordas assumiu posto de instrumento predileto europeu.

O primeiro indício de uma guitarra de cinco cordas foi uma gravura Italiana datada do século quinze. O instrumento representado é pelo menos igual em tamanho em relação ao seu semelhante moderno.

A sua caixa sonora é um pouco maior que a do violão moderno, e apresenta uma construção refinada que chama a atenção, o que é característico de instrumentos de luthieres italianos.

A guitarra italiana possuía uma derivada, chamada de ?Guitarra Batente?. O mesmo sendo observado na França, com a ?Rizzio Guitarre?. A afinação dessa guitarra de cinco cordas era A-D-G-B-E, exatamente como o violão moderno.

Com o passar do tempo, o corpo do instrumento foi aumentado e uma corda foi adicionada e sua afinação era a mesma da antiga guitarra com exceção da terceira corda, que era afinada meio tom abaixo.

Este instrumento viria então a ser conhecido como a Vihuela. A Vihuela era apenas uma guitarra de dimensões maiores, e possuía seis cordas duplas feitas de tripa animal.

Vihuela medieval - origem do violão - história do violão



No século dezesseis, a guitarra era denominada de três maneiras: Vihuela na Espanha, Rizzio Gitarre na França e Guitarra Batente na Itália.

É da Alemanha do século dezessete, que se tem notícia da mais antiga publicação para guitarra de seis cordas.

Como surgiu o nome ?Violão??
Em vários países de língua não-portuguesa, o Violão é conhecido como ?Guitarra?.Isso tem muito a ver com o idioma inglês (Guitar), francês (Guitare), alemão (Gitarre), italiano (Chitarra) e espanhol (Guitarra).

Acontece também, que os portugueses possuem um instrumento muito semelhante ao Violão, que seria atualmente equivalente à nossa Viola Caipira: É a Viola portuguesa. Ela possui as mesmas formas e características do Violão, sendo apenas um pouco menor.

Quando os portugueses se depararam com a ?guitarra? (Espanhol), viram que ela era igual à sua viola, sendo apenas um pouco maior. Então colocaram o nome do instrumento no aumentativo, ou seja, de ?Viola? passou a ser chamado de Violão?

O nome violão hoje faz parte do vocabulário de todos os brasileiros e designa de forma inequívoca a guitarra clássica. Muitos tentaram, sem sucesso, fazer com que o termo ?guitarra? voltasse a ser utilizado no Brasil para unificar a nomenclatura a todas as outras línguas.

Só no século vinte o nome ?guitarra? retornou ao vocabulário corrente dos brasileiros, mas apenas para designar a versão eletrificada do violão. O nome ?guitarra clássica? também acaba sendo alternativamente utilizado, muitas vezes, para designar os modelos de guitarras semi-acústicas do jazz e blues tradicionais.

Uso na música popular e erudita
O violão originou um ramo da música clássica ou erudita, composta por obras escritas especialmente para tirar partido das suas possibilidades expressivas, geralmente prelúdios, sonatas e concertos, embora qualquer forma de composição musical possa ser utilizada por ele.

O violão é quase sempre tocado sem o uso de palhetas, utilizando-se as unhas (normalmente da mão direita). As unhas devem estar bem polidas para um som mais perfeito.

Já Francisco Tárrega (1852-1909), preconizou que o toque devia ser realizado pela mão direita com a parte ?macia? do dedo ? a polpa ? ou seja, a unha não deveria ser utilizada.

Francisco_Tarrega - a origem do violão - história do violão



O toque nas cordas pode ser feito sem apoio ou com apoio. Sendo com apoio, o dedo, após ferir a corda, descansa na corda imediatamente acima.

Ao contrário da música popular, a execução clássica mais frequente é de uma linha melódica tocada nas cordas agudas e linhas de baixo, escalas e arpejos são tocados simultaneamente à melodia principal.

Na música popular as guitarras clássicas são utilizadas para acompanhamento do canto e a execução frequentemente é harmônica. Os acordes são montados com a mão esquerda e com os dedos da mão direita ? ou palhetas ? são feitos diversos tipos de ritmos, batidas, dedilhados ou arpegios.

Alguns gêneros musicais permitem a utilização de linhas melódicas em introduções e solos. No jazz podem ser utilizadas técnicas mais elaboradas como o tapping e a execução com harmônicos.

Na música popular é comum a amplificação do violão com microfones dinâmicos. Os amplificadores permitem ajustes de tonalidade e mesmo algumas leves distorções são toleráveis às vezes, em alguns estilos populares.

Origem do Violão no Brasil ? Uma breve história
O primeiro instrumento musical de cordas que se tem notícias, que chegou ao Brasil, foi a viola de dez cordas ? ou cinco cordas duplas ? trazida pelos jesuítas portugueses, que aqui chegaram para catequisar os índios e a usavam durante a catequese.

A primeira notícia que se tem sobre este instrumento no Brasil, ocorre no século XVII em São Paulo.

A confusão entre a viola e o violão começa em meados do século XIX, quando a viola é usada com uma afinação própria do violão, isto é, lá, ré, sol, si, mi.

Atualmente, a viola passou-se a ser denominada de viola caipira, por ser um instrumento típico do interior do país, e a nomenclatura violão, ao instrumento que era característico de uso urbano, e ter sua forma atual estabelecida no final do século XIX.

Viola de 10 cordas - a origem do violão - história do violão

Com isso, o violão passou a tornar-se o instrumento favorito para o acompanhamento vocal, como no caso das modinhas, na música instrumental, acompanhando a flauta e o cavaquinho, e com isso formando a base de um conjunto de choro ou chorinho.

O violão, por ser um instrumento muito usado na música popular brasileira, e pelo povo em geral, passou a ter uma má fama, sendo considerado por muitos como um instrumento de boêmios, presente entre seresteiros, chorões, tornando-se um símbolo de vagabundagem e, carregando consigo este estigma por muitos anos.

Em virtude desta discriminação sofrida pelo violão no Brasil e sua associação, os primeiros que tentaram desmistificar esse ranço pejorativo e discriminatório do violão, divulgando-o como um instrumento sério foram considerados verdadeiros heróis.

Um dos precursores do violão moderno no Brasil foi o fundador da revista ?O Violão?, publicando-a em 1928, foi Joaquim Santos (1873-1935) ou Quincas Laranjeira, considerado o ?Pai do violão moderno? que nos últimos anos de sua vida dedicou-se a ensinar a tocar o violão pelo método de Tárrega.

A origem do violão no Brasil, sua história, desenvolveu-se, basicamente, em dois grandes eixos da expressão da arte no Brasil: Rio de Janeiro e São Paulo. Foi nessas cidades que surgiram a maioria dos grandes violonistas brasileiros.

O Brasil teve e tem a sua própria safra de grandes violonistas, e falaremos disso num outro artigo.


Construção e estrutura do violão

A configuração moderna e desenho do violão foram confeccionados na Espanha. Presente hoje em quase todos os gêneros musicais populares, sua abrangência só se compara à do piano.

Ao longo do tempo este instrumento sofreu grandes evoluções e, hoje em dia, possui uma grande variedade de formatos e tamanhos, cada qual mais apropriado a um estilo de execução e muitas vezes personalizado pelo luthier que o construiu.

O violão ou guitarra clássica possui diversas características em comum com todas as outras guitarras, e as principais diferenças em relação às outras são o fato de usar cordas de nylon, a cabeça possuir cravelhas, o braço ser mais largo e o tipo de madeiras usadas.

A figura abaixo mostra as partes de um violão:



Estrutura do violão - a origem do violão - história do violão

Cabeça, braço e escala
A cabeça da guitarra clássica é geralmente feita da mesma madeira do braço e em alguns casos é entalhada no mesmo bloco de madeira. É fixada na extremidade do braço formando um pequeno ângulo para facilitar o posicionamento das cordas sobre a pestana (feita de osso, plástico ou latão em alguns casos).

As tarraxas ou cravelhas dos instrumentos modernos são feitos de aço com abas de plástico, osso ou madrepérola. Na maior parte das guitarras acústicas há três carrilhões de cada lado da cabeça. Outras configurações são possíveis, como 4+2, 4+3 em violões de 7 cordas e 2+2 para violões-baixo.

O braço do violão é mais largo que o de outras guitarras acústicas, como por exemplo, a guitarra folk. É composto basicamente de uma barra maciça e rígida de madeira fixada ao corpo.

Madeiras de grande resistência à tração são preferíveis, e as mais usadas são o mogno e o cedro. O braço é colado ao corpo com o auxílio de um reforço estrutural, o tróculo, em geral entalhado na mesma peça do braço, mas que também pode ser uma parte separada e colada ao braço e ao corpo.

Feita de uma madeira diferente do resto do braço, como o ébano, a escala é montada sobre o braço para fixar os trastes e servir de apoio aos dedos do executante.

As guitarras clássicas geralmente não apresentam elementos decorativos sobre a escala. Os violões modernos são construídos com os trastes posicionados para proporcionar intervalos iguais em todos os semitons.

Em geral, a parte livre do braço é mais curta que nos instrumentos elétricos, com doze trastes da pestana até a junção com o corpo.

Quer um Dicionário de 600 Acordes no Violão? É Grátis!
Corpo
Em todos os tipos de violão o corpo tem as funções de caixa de ressonância e de fixação das cordas. A combinação de madeiras utilizadas não é meramente decorativa.

Cada madeira é escolhida devido às suas características físicas, tais como flexibilidade, resistência à tração e absorção de umidade.

As características combinadas de cada madeira permitem construir instrumentos com a sonoridade desejada, bem como garantem que o instrumento terá afinação e timbre estáveis em condições diferentes de temperatura, umidade e tensão das cordas.

Faixas laterais
Feitas de madeiras resistentes à tração. A madeira preferida para esta parte do corpo é o jacarandá da Bahia. Como esta árvore está em risco de extinção, apenas luthieres que possuem estoques antigos utilizam essa madeira.

Uma alternativa é o jacarandá da Índia, também chamado Rosewood. Também pode ser usado o mogno ou algumas outras madeiras. As finas lâminas, de no máximo 3 mm de espessura e com cerca de 3 a 5 cm de largura, são molhadas e moldadas no formato desejado do instrumento (normalmente no formato aproximado de um 8) com a ajuda de moldes de madeira e grampos.

Após alguns dias as faixas adquirem a forma definitivamente. Várias peças de madeira em forma de ?L? são coladas ao longo de toda a parte interna das faixas. Estas peças servirão para colar o fundo e o tampo.

Fundo
Construído da mesma madeira que as faixas, o fundo também é uma lâmina fina de madeira, cortada para preencher exatamente o contorno definido pelas faixas.

Na verdade, não é constituído de uma única chapa, mas de duas partes simétricas, fixadas no meio a uma estrutura que se estende longitudinalmente ao corpo.

O resultado é um fundo que não é plano, mas levemente curvo em direção ao exterior. Essa montagem permite a dilatação e faz com que alterações da madeira decorrentes de variações de temperatura ou umidade sejam absorvidas sem danos às lâminas.

Tampo
Esta é a principal parte do corpo do violão. Como as cordas são fixadas ao tampo, quando elas vibram todo o tampo vibra solidariamente. Este efeito é responsável pela maior parte da amplificação acústica.

Como deve agir como uma membrana, o tampo deve ser construído de uma lâmina fina (em geral menos espessa que o fundo e laterais) de uma madeira altamente flexível, mas ainda assim resistente o suficiente para suportar a tração ocasionada pelas cordas.

A madeira preferencial para o tampo é o cedro, mas várias outras madeiras podem ser usadas. Os melhores instrumentos são obtidos de árvores com pelo menos 200 anos, que possuem veios praticamente paralelos.

Assim como o fundo, o tampo é obtido de uma única chapa de pinho dividida em duas metades unidas ao meio e colado aos suportes em ?L?. No ponto de junção entre as faixas e o tampo, um friso é colado como elemento decorativo e também como reforço estrutural do conjunto.

Aproximadamente no centro do tampo, há uma abertura, a boca. Ela serve para permitir a passagem do ar em vibração. Em geral, um mosaico feito em marchetaria decora e protege as bordas das aberturas. O desenho utilizado é característico de cada luthier.

Na parte interna do tampo, uma complexa estrutura de barras ou ripas de madeira é construída para ?disciplinar? a vibração do tampo. Chamada de leque, esta estrutura é fundamental para permitir o reforço de determinados harmônicos e a absorção de ruídos indesejáveis. Em geral o número de barras e o desenho utilizado é característico de cada luthier ou de cada modelo.

Abaixo da boca é colado o cavalete, usado para fixar as cordas ao corpo. O cavalete possui furos para a fixação das cordas e sobre ele é montado o rastilho, uma barra de osso ou plástico que serve para apoiar e distanciar as cordas do corpo e da escala, além de transmitir a vibração das cordas ao tampo.

Encordoamento
Os violões clássicos ? ou de concertos ? utilizam exclusivamente cordas de nylon; a construção deste tipo de instrumento não suporta uma tensão maior, proporcionada pelas cordas de aço.

As cordas mais finas, chamadas de primas ou agudas, são feitas de nylon ou compostos utilizando carbono e titânio. As mais grossas, chamadas de bordões ou baixos, consistem de um núcleo composto por multifilamentos de fios de nylon, enrolados em espiral por um fio metálico.

Este fio é feito geralmente de cobre (puro ou suas ligas), cobre banhado a prata, ou mesmo de prata pura, tratado com revestimento antioxidante.

Esta construção permite maior resistência à tração, maior estabilidade de afinação e maior flexibilidade do que seria possível caso se usassem fios de cobre também nas cordas mais grossas.



Navegue e Conheça Todos os Produtos do Site por Nível!
Iniciante Intermediário Avançado 7 Cordas Iniciante 7 Cordas Avançado

Curiosidades sobre o Violão
Por um bom período da história do violão ? no Brasil ? ele foi difamado devido a ser o instrumento preferido dos boêmios e seresteiros, levando o título de ?instrumento marginal?, ?coisa de vagabundo?. Felizmente esse fato já foi superado.

Por um bom tempo da nossa história também houve uma confusão em relação aos termos viola e violão no país. Mas há muito tempo essa diferença entre os dois instrumentos é notória.

Devido ao formato característico do corpo do violão, costuma-se dizer que ele tem as mesmas proporções de um corpo feminino. Por analogia também se diz de mulheres que têm a cintura acentuada, que elas têm um ?corpo de violão?.

Aqui no Brasil, quando se fala em ?guitarra?, nos referimos ao instrumento elétrico chamado ?Guitarra Elétrica?. Mas não é assim em outros países?

A Viola portuguesa possui as mesmas formas e características do Violão, sendo apenas pouco menor

Certa vez, num programa de televisão em São Paulo, que dava prêmios em dinheiro para quem respondesse corretamente perguntas sobre variados temas, foi questionado, quantas cordas tinha um violão. Embora a resposta considerada correta foi ?6 cordas?, faltou esclarecer que existem violões de 7 cordas, e também de 8, 9, indo até 14 cordas!

A viola de dez cordas ? ou cinco cordas duplas ? trazida ao Brasil pelos jesuítas portugueses no século dezesseis, foi o 1º instrumento musical vendido no país, e teve um preço exorbitante na época: Dois mil réis! Esse instrumento pertenceu a um bandeirante chamado Sebastião Paes de Barros.
Nicolau
Gamer
600 mensagens
86%
40 emblemas
Postado em 13/03/2018 às 19h55
1
Eita prraaaaaa Um texto desse bicho.. confesso que não li tudo.. mais lembro que no Brasil mulheres eram proibidas de tocar violão.. não lembro sé era só mulheres mais quem tocava violão era considerada mulheres do ''Mundo'' (Machismo PURO!)


Locutor - Moderador


#BaúPixelados




Dono do Portal de Conteúdo - Patolandia.Me

Medonho
57 mensagens
57%
3 emblemas
Postado em 13/03/2018 às 20h07
2
Mano do céu, quase uma biblia aí, kkkkkkkkkkkkkkkk. Ótimo, ótmo!
Sem assinatura
Paparazzi
218 mensagens
73%
31 emblemas
Postado em 13/03/2018 às 20h47
3
Maior topico que ja vi kkkkkk va fui em umas aulas de violão mais aprendi pouco, sei +/-. kkk
Pixelado
18 mensagens
90%
2 emblemas
Postado em 13/03/2018 às 20h57
4
Tamanho desse Tópico ksksk
Sem assinatura
Pixelado
16 mensagens
80%
1 emblema
Postado em 13/03/2018 às 21h09
5
Dj-Werley disse:

Eita prraaaaaa Um texto desse bicho.. confesso que não li tudo.. mais lembro que no Brasil mulheres eram proibidas de tocar violão.. não lembro sé era só mulheres mais quem tocava violão era considerada mulheres do ''Mundo'' (Machismo PURO!)

Falndo em machismoirei fazer um tópico sobre isso... na verdade já fiz mas, vou editar
Nicolau
  • Anterior
  • 1
  • Próxima
É necessário estar logado para participar do fórum de discussão.